Paracoccidioidomicose

paracoccidioidomicose, estomatite moriforme

paracoccidioidomicose, estomatite moriforme

paracoccidioidomicose, estomatite moriforme

paracoccidioidomicose, estomatite moriforme

As figuras acima mostram lesão granular salpicada por pontos eritematosos, bastante característicos da lesão.

Paracoccidioidomicose é uma doença provocada pelo fungo Paracoccidioides brasiliensis de grande importância em Odontologia, devido a suas manifestações bucais. Esta doença apresenta significativa incidência no Brasil, em especial nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Os pacientes geralmente acometidos por esta enfermidade vivem no ambiente rural, havendo predileção por homens a partir da terceira década de vida. A menor incidência em mulheres é explicada pela presença de receptores de estrógeno no fungo, que são capazes de inibir a transformação da forma micelial para a fase leveduriforme parasitária. O fungo tem os vegetais e a terra como seu principal habitat. Na maioria das vezes, esta infecção ocorre pela inalação do agente infeccioso que se instala, em especial, nos pulmões, podendo se disseminar para outros órgãos internos ou região muco-cutânea, incluindo a mucosa bucal. Formas agudas, subagudas ou crônicas da infecção são identificadas. Os principais sinais e sintomas sistêmicos incluem: insônia, debilidade, dispneia, tosse, hemoptise, febre e perda de peso. No exame extrabucal observa-se macroqueilia, palidez facial e linfadenopatia cervical. As lesões bucais apresentam placas brancas, por vezes ulceradas, com base granular eritematosa, salpicada por pontos hemorrágicos, denominadas de estomatite moriforme. Tais alterações podem ser encontradas em qualquer lugar da boca, incluindo lábios, mucosa jugal, palato, língua, soalho bucal, mucosa gengival e alveolar. Embora a aparência clínica da lesão seja bastante sugestiva, a biópsia deve ser realizada para a confirmação do diagnóstico e posterior encaminhamento do paciente ao tratamento. Vale ressaltar que a área a ser escolhida para a realização da biópsia deve conter pontos salpicados, eritematosos, onde, provavelmente, o fungo será mais facilmente encontrado (Ver o caso Clínico 10). Como os primeiros sinais da lesão encontrados podem ser essas manifestações bucais, o cirurgião-dentista tem papel importante no diagnóstico da doença.

Histopatologia

 

Leitura complementar:

1- Almeida OP, Jacks Jr J, Scully C. Paracoccidioidomycosis of the mouth: An emerging deep mycosis. Crit Rev Oral Biol Med 2003;14:377-383.

2- Palmeiro M. Cherubini K, Yurgel LS. Paracoccidioidomicose. Revisão da Literatura. Scientia Medica 2005;15:274-278.