Osteodistrofia Renal

osteodistrofia renal

Imagem clínica de osteodistrofia renal causando tumefação localizada na mandíbula.

osteodistrofia renal

Os aspecto radiográfico lembra a imagem de "vidro despolido".

A produção excessiva de paratormônio pode ocorrer devido à desordem primária das glândulas paratireoides (hiperparatireoidismo primário) ou  como resposta aos baixos níveis de cálcio sérico. O hiperparatireoidismo pode ser classificado como: Primário, Secundário e Terciário. O primário geralmente está relacionado a um adenoma, hiperplasia ou carcinomas das paratireoides. A forma secundária é encontrada em pacientes com doença renal crônica, incapazes de produzir níveis adequados de vitamina D nos rins. Isto leva a diminuição na absorção de cálcio no intestino, provocando hipocalcemia. Isso somado a retenção de fosfato e aos níveis reduzidos de vitamina D, leva ao hiperparatireoidismo secundário. Já a forma terciária é rara e ocorre devido à desregulação da função da glândula após a sua estimulação prolongada. As alterações ósseas relacionadas ao comprometimento renal avançado são conhecidas como osteodistrofia renal e devem ser diferenciadas histologicamente do tumor marrom do hiperparatireoidismo. A osteodistrofia renal pode levar a expansão localizada ou difusa dos ossos maxilares, podendo apresentar radiograficamente a imagem de “vidro despolido”, semelhante à displasia fibrosa. Ainda que alguns autores recomendem o tratamento cirúrgico, incluindo apara óssea, para o restabelecimento do contorno da anatomia da região, sugere-se cautela na tomada dessa decisão, pois não adiantará a intervenção cirúrgica, se a doença sistêmica permanecer. Nestes casos, as possibilidades de recidivas são pouco conhecidas na literatura.

Histopatologia

 

Leitura Complementar:

1-Lerman MA, Do C, Gunaratnam L, Kulkarni C, Tucker K, Woo SB. Localized mandibular enlargement in end-stage renal disease: two case reported and review of the literature. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol 2012;113:384-390.